Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Líderes mundiais reagem à vitória de Boris Johnson no Reino Unido

Chanceler alemã e presidente americano deram parabéns ao premiê britânico por vencer as eleições desta quinta 12 .

 
 -   /
/ /

Líderes mundiais reagiram, nesta sexta-feira (13), à vitoria do premiê britânico Boris Johnson nas eleições gerais de quinta (12).

O presidente americano, Donald Trump, disse que a vitória de Johnson significa que o Reino Unido e os Estados Unidos ficariam livres para fechar um acordo comercial "massivo" depois do Brexit - a saída do Reino Unido da União Europeia.

"Parabéns a Boris Johnson por sua grande VITÓRIA! Esse acordo tem potencial para ser bem maior e mais lucrativo que qualquer outro que pudesse ser feito com a União Europeia. Celebrem Boris", escreveu Trump no Twitter.

A chanceler alemã, Angela Merkel, também deu parabéns ao líder britânico:

"Parabéns, Boris Johnson, pela sua vitória retumbante. Estou ansiosa para trabalhar com você pela amizade e forte cooperação entre as nossas nações", escreveu seu porta-voz no Twitter.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, afirmou que a União Europeia estava pronta para negociar um acordo de livre-comércio com o Reino Unido, mas pediu a Londres que trabalhe com boa fé.

"Nós esperamos, assim que possível, um voto do Parlamento britânico [sobre o Brexit]... é importante ter clareza", disse.

O premiê tcheco, Andrej Babiš, disse que "é obviamente um grande sucesso para Boris Johnson. Ele é um líder carismático. Ele venceu e agora eles [os britânicos] irão sair [da União Europeia], infelizmente. Isso é má notícia para a Europa", afirmou.

O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, escreveu no Twitter que seguirá "trabalhando para um Brexit ordenado que garanta os direitos e as liberdades da cidadania e dê segurança aos setores econômicos. Apostamos em uma relação futura o mais estreita possível entre a União Europeia e o Reino Unido", disse.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse a repórteres que "é claro que nós sempre temos esperanças de que as forças políticas que vencem as eleições em qualquer país compartilhem a ideologia de nosso país e tenham como objetivo construir boas relações conosco. Eu não sei o quão apropriadas essas esperanças são no caso dos Conservadores [partido de Johnson]".

O impasse com a Escócia

A líder do Partido Nacional Escocês, Nicola Sturgeon, em centro de votação em Glasgow nesta sexta (13). — Foto: Russell Cheyne/Reuters A líder do Partido Nacional Escocês, Nicola Sturgeon, em centro de votação em Glasgow nesta sexta (13). — Foto: Russell Cheyne/Reuters

A líder do Partido Nacional Escocês, Nicola Sturgeon, em centro de votação em Glasgow nesta sexta (13). — Foto: Russell Cheyne/Reuters

A líder do Partido Nacional Escocês (SNP, na sigla em inglês) e primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, declarou, durante as eleições de quinta (12), que "Boris Johnson tem um mandato para tirar a Inglaterra da União Europeia, mas ele deve aceitar que eu tenho um mandato para dar à Escócia uma escolha para um futuro alternativo".

Em 2016, a Escócia votou contra o Brexit, e Sturgeon já afirmou que enviará uma carta ao premiê, Boris Johnson, para que o país possa votar em um novo referendo de independência do Reino Unido.

"A Escócia enviou uma mensagem muito clara - não queremos um governo de Boris Johnson, não queremos deixar a União Europeia", declarou Sturgeon. "A Escócia deve decidir o nosso futuro, e não tê-lo decidido por nós".

O partido dela conseguiu 48 cadeiras no Parlamento britânico.

Veja mais informações em instantes.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE