Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Nordeste é a região do Brasil que apresenta maior incidência de zika

 
 -   /
/ /

ÁUDIOTEXTO PARA RÁDIOMinistério da SaúdeO Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde notificou mais de 10 mil casos prováveis de zika, no ano passado. A região Nordeste teve a maior incidência: foram 9,3 casos por 100 mil habitantes. Em seguida, estão as regiões Centro-Oeste, com 5,9 casos, e o Norte, com 4,4 casos por 100 mil habitantes.

Cláudio Maierovitch, médico sanitarista da Fiocruz de Brasília, analisa que a grande epidemia do zika ocorreu entre 2014 e 2016. Até então, não se sabia o que causava a doença, pois não havia sido identificada nas Américas ou em qualquer outro país do Ocidente. 

“Nós não temos um número exato, mas provavelmente, tivemos milhões de casos, eu diria em média 10 milhões, concentrados, principalmente, na região Nordeste. Provavelmente o vírus chegou lá primeiro, em um momento em que havia condições ótimas para sua transmissão. Depois disso, boa parte das pessoas expostas daquela região ficaram com imunidade, portanto, deixou de ser suscetível e, com isso, a ocorrência diminuiu. Houve transmissão em todos os estados brasileiros, mas em nenhum com a mesma intensidade que aconteceu na região Nordeste. Hoje, temos em praticamente todas as regiões alguma transmissão de zika, mas não se aproxima daquela que aconteceu inicialmente”.

Ainda de acordo com o Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, três óbitos por zika foram confirmados por critério laboratorial, no estado da Paraíba. As idades foram de 2, 14 e 40 anos.

É preciso ficar muito atento aos primeiros sinais da doença, pois, como analisa Maierovitch, mesmo que a zika seja causada pelo mesmo mosquito transmissor da dengue a da chikungunya, seus sintomas costumam ser menos percebidos.

“Em geral, a febre é mais baixa, mas pode não haver febre, e a doença começa com manchas e coceiras no corpo e irritação dos olhos. Costuma durar menos tempo. Pode ter dores no corpo e nas articulações, mas em uma intensidade menor que a dengue e a chikungunya. A grande preocupação, no caso da zika, é a infecção durante a gestação, porque existe o risco de que ocorra má-formação no bebê que vai nascer”.

Assim como a dengue e a chikungunya, é importante que todos busquem formas de eliminar os criadouros do mosquito Aedes aegypti. Por isso, cuidado com água armazenada que pode se tornar criadouro, como vasos de plantas, pneus, garrafas e piscinas sem uso e manutenção. 

Você combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Mundo

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE