Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Pará, Amazonas e Mato Grosso somam 60% das queimadas de agosto; Pantanal é bioma mais afetado

Mesmo que a Amazônia tenha um número absoluto maior de focos de calor, o bioma pantaneiro é o mais atingido proporcionalmente por ter uma área 36 vezes menor. Veja os dados das queimadas por estado do Brasil.

 
 -   /
/ /

Pará, Amazonas e Mato Grosso são os estados com o maior número de focos de fogo detectados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em agosto deste ano. Juntos, eles representam 60% das queimadas do mês. A Amazônia é o bioma que registrou a maior quantidade de pontos de calor, mas, em comparação, o Pantanal é o mais afetado: ele tem uma área 36 vezes menor, mas só 5 vezes menos fogo.

Queimadas de 1º a 17 de agosto, no Brasil:

  • Pantanal tem 3.279 pontos de calor; Amazônia tem 16.763; e o Cerrado, 4.821;
  • Amazônia tem 5,5 milhões de km² – área 36 vezes maior que a do Pantanal (150 mil km²) e quase três vezes maior do que a do Cerrado (1.910.000 km²);
  • Neste mês, as cinco cidades com mais focos de calor são: Altamira (PA), São Félix do Xingu (PA), Corumbá (Mato Grosso), Novo Progresso (Pará) e Poconé (Mato Grosso);
  • Em comparação com o período de 1º a 17 de agosto de 2019, o Pantanal apresenta uma alta de 231% nos registros de queimadas do Inpe; a Amazônia tem uma queda de 14%, mas, exceto o ano passado, é o maior número desde 2010.
  • Pará, Amazonas e Mato Grosso concentram o maior número de focos no mês: 7.589, 4.786 e 4.430, respectivamente. Os três estados também são os mais afetados desde 1º de janeiro.

Queimadas por estado do Brasil em agosto — Foto: Carolina Dantas/G1

Os focos de calor são detectados por satélites monitorados pelo Inpe. O Aqua, de referência, também é utilizado pela agência espacial americana (Nasa) e "apresenta dificuldades técnicas desde 16 de agosto". O instituto, para minimizar o impacto nos dados, passou a usar os dados que chegam diretamente nas antenas do Inpe, localizadas em Cuiabá (MT) e em Cachoeira Paulista (SP). Por isso, os números nestes dois últimos dias podem estar prejudicados nos estados do Amapá, Roraima, Rondônia, Acre e também no norte do Amazonas.

Pantanal registra maior incêndio em 14 anos

Pantanal registra maior incêndio em 14 anos

  • Entenda como o Inpe mede as queimadas no país e o que representam os dados
  • Pantanal tem o mês de julho com mais focos de incêndio desde início das medições feitas pelo Inpe
  • Incêndios na Amazônia aumentaram 28% em julho em comparação ao ano passado, mostram dados do Inpe

Focos de queimadas por bioma do Brasil — Foto: Carolina Dantas/G1

Dados anuais

Assim como neste mês de agosto, os estados do Mato Grosso, Pará e Amazonas também lideram as queimadas do ano. As queimadas são uma das consequências do desmatamento na Amazônia e, nos últimos 12 meses, foram as florestas paraenses que perderam maior área - no topo do ranking, o estado perdeu 2.909 km² desmatados no período, quase o dobro de tamanho da cidade de São Paulo. Os dados são do Sistema de Alerta de Desmatamento, desenvolvido pelo Imazon.

Em toda a Amazônia, segundo a organização, 6.536 km² de floresta nativa foram derrubados, um aumento de 29% em comparação com o ano anterior. A análise compreende os meses entre agosto de 2019 e julho de 2020.

Queimadas por estado desde janeiro de 2020 — Foto: Carolina Dantas/G1

Entre as dez cidades que mais desmataram na Amazônia no último ano, oito também estão em um desses estados que mais queimaram no ano, ainda segundo o Imazon.

Isso ocorre porque o fogo é apenas uma das etapas do ciclo de uso da terra na Amazônia. Depois do desmate, se nada de novo acontecer, a floresta pode se regenerar. Uma floresta secundária, no entanto, nunca será como uma original, mesmo que uma parte da biodiversidade consiga se restabelecer. Na prática, o que acontece é que a mata não tem tempo de crescer de novo.

  • Nuvem gigante de fumaça assusta moradores e pode agravar pandemia no Centro-Oeste
  • Por que o Pantanal vive 'maior tragédia ambiental' em décadas

De acordo com ambientalistas ouvidos pelo G1, há muito mais a ser queimado ainda na Amazônia em 2020, já que novos recordes de desmate foram batidos neste ano.

"O fogo é uma das principais ferramentas utilizadas para o desmatamento, especialmente por grileiros e agricultores, que o usam para limpar áreas para uso agropecuária ou especulação. Isso é mais uma prova que esse governo não tem uma política de proteção ambiental e tenta, de maneira desorganizada, passar a imagem que está tentando resolver o problema", disse Rômulo Batista, porta-voz do Greenpeace.

Evolução das queimadas anuais por bioma — Foto: Carolina Dantas/G1

E o Pantanal, o bioma mais afetado proporcionalmente a sua área, precisa da floresta para sobreviver: pesquisadores relacionam o aumento das queimadas na região também ao desmatamento na Amazônia - é de lá que vem a maior parte da umidade que alimenta o Pantanal, explicam.

"Essa baixa quantidade de chuvas fez com que nós tivéssemos, este ano, a menor cheia dos últimos 47 anos [no Pantanal]. E, segundo as nossas estimativas, é bem provável que nós teremos também a maior seca desse mesmo período", disse Carlos Padovani, da Embrapa, ao Jornal Nacional.

A floresta lança no ar a umidade que é levada pelas correntes até esbarrar na Cordilheira do Andes. Volta, então, distribuindo chuva para toda uma região que vai até o Sul do Brasil. Quando esse maciço verde começa a ser fragmentado, não lança tanta umidade assim e falta chuva no Centro-Oeste.

"Nestas condições, não ocorre a recarga dos aquíferos que viabilizam o retorno dessa umidade estocada na bacia para a formação de nuvens. Então, se a chuva de 600 milímetros acontecesse somente em outubro e novembro, os demais meses ficam secos e a estiagem será maior", também explicou Ivan Bergier, da Embrapa.

Queimadas no Pantanal: Cuiabá amanhece tomada pela fumaça

Queimadas no Pantanal: Cuiabá amanhece tomada pela fumaça

Troca de farpas

No sábado (15), o ator Leonardo DiCaprio publicou texto nas redes sociais criticando a postura do presidente Jair Bolsonaro diante do aumento dos incêndios na Amazônia em 2019 e 2020.

"O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, está sob pressão internacional para conter os incêndios, mas ele duvidou publicamente da gravidade deles no passado, alegando que oponentes e comunidades indígenas foram os responsáveis", escreveu o ator.

From The @Guardian: The number of fires burning in Brazil's Amazon in July was up 28% on the same month last year, according to data from Brazil's space research agency INPE. Early numbers for August also show a 7% increase. Brazil's president, Jair Bolsonaro, is under pressure internationally to curb the fires, but he has publicly doubted the severity of them in the past claiming opponents and indigenous communities were responsible. Last year's Amazon wildfires were devastating enough, but with the weather being drier this year so far, as well as the Coronavirus pandemic which has killed more than 99,000 Brazilians, there is growing concern that the ongoing deforestation isn't getting enough attention. . . . . . . #Brazil #Amazon #Rainforest #Wildfires #Deforestation

"Os incêndios florestais na Amazônia no ano passado foram devastadores o suficiente, mas com o clima mais seco este ano, assim como a pandemia do coronavírus que matou mais de 99 mil brasileiros, há uma preocupação crescente de que o desmatamento em andamento não esteja recebendo atenção suficiente", afirmou DiCaprio.

Na última terça-feira (11), Bolsonaro disse que o Brasil recebe críticas de outros países por desmatamento na Amazônia porque é "potência no agronegócio". Segundo o presidente, o Brasil é ameaçado o tempo inteiro e "alguns poucos brasileiros" trabalham contra o governo nesse tema.

Além disso, no ano passado, Bolsonaro também acusou Leonardo DiCaprio de financiar queimadas na Amazônia.

"O pessoal da ONG, o que eles fizeram? O que é mais fácil? Botar fogo no mato. Tira foto, filma, a ONG faz campanha contra o Brasil, entra em contato com o Leonardo DiCaprio, e o Leonardo DiCaprio doa 500 mil dólares para essa ONG. Uma parte foi para o pessoal que estava tocando fogo, tá certo? Leonardo DiCaprio tá colaborando aí com a queimada na Amazônia, assim não dá."

As declarações repercutiram fora do país na época. Os jornais americanos "Washington Post" e "New York Times" destacaram que o presidente do Brasil criticou DiCaprio por incêndios na Amazônia e afirmaram que Bolsonaro não ofereceu nenhuma prova.

Queimadas e a falta de chuvas estão mudando características do Pantanal

Queimadas e a falta de chuvas estão mudando características do Pantanal

QUEIMADAS

  • Focos na Amazônia em junho foram os maiores para o mês nos últimos 13 anos

  • Temporada começa com mais incêndios no Pampa, Pantanal e Mata Atlântica

  • RELEMBRE: em 2019, Amazônia teve alta de 30% e Pantanal teve 6 vezes mais focos

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Cidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE