Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Acusado de matar companheira a marteladas no Tenoné, em Belém, é condenado a 22 anos de reclusão

Feminicídio ocorreu em 2017. Vítima morava há um mês com o acusado.

 

Acusado de matar companheira a marteladas no conjunto Tenoné, distrito de Icoaraci, foi condenado, nesta quinta-feira (8), a 22 anos de reclusão por jurados do 4º Tribunal do Júri de Belém.

O crime ocorreu no dia 4 de dezembro de 2017, na casa do réu e da vítima, que morava a menos de um mês com o acusado. De acordo com testemunhos, o réu praticava violência doméstica contra a companheira, Suzana Oliveira de Oliveira, de 24 anos, com frequência.

A decisão acolheu a acusação de que Bruno Cardoso Souza, de 27 anos, cometeu homicídio qualificado agravado por ser feminicídio. A promotoria do caso alegou que o réu agiu com extrema violência, deixando a vítima com calota craniana deformada e exposição da massa encefálica.

A defesa sustentou a tese de negativa de autoria, versão não acolhida por jurados. De acordo com o relato policial do crime, não houveram testemunhas oculares, mas vizinhos e amigos confirmaram ter ouvido gritos da mulher vindo da casa do réu e barulho de osso sendo quebrado.

A vítima chegou a ser levada a uma unidade hospitalar, onde permaneceu em coma por cinco dias, evoluindo a óbito. O laudo pericial atestou fraturas na cabeça.

Em interrogatório, o réu contou que não foi autor do crime, confirmando que estava com a companheira por menos de um mês. A versão apresentada pelo réu é de que ele era dependente de droga e estaria devendo dinheiro para traficantes. No dia do crime, três homens que trabalham para o traficante teriam ido até o local onde o acusado bebia com um amigo e uma vítima.

Segundo o acusado, ele teria tentado convencer os traficantes a esperar um pouco que pagaria a dívida, mas um deles teria tirado um objeto do short e o réu e a vítima teriam fugido para uma área de mata. Minutos depois, o trio teria então invadido a casa do casal, furtado uma televisão e assassinado Solange a marteladas.

O réu disse ainda que não se entregou por medo de ser responsabilizado pelo assassinato e por possuir antecedentes criminais com condenação por tráfico de drogas e assalto.

Veja os vídeos mais vistos do G1

20 vídeos Lamborghini na enchente: veja como ficou o carro depois do alagamento Estudo filma distração de jovens motoristas antes de acidentes Carro autônomo do Uber atropela e mata uma mulher

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Cidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE