Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Coronel Pantoja, condenado pelo Massacre de Eldorado dos Carajás, morre em Belém

No Massacre, 19 trabalhadores sem terra foram assassinados em 1996. Além de Mário Pantoja, o major José Maria Pereira Oliveira também foi condenado.

 
 -   /
/ /

Morreu na quarta-feira (11) o coronel Mário Colares Pantoja, condenado a mais de 150 anos de prisão pelo Massacre de Eldorado dos Carajás, ocorrido em abril de 1996, no sudeste do Pará. Ele estava internado em um hospital particular em Belém. A causa da morte não foi informada.

O coronel Pantoja foi comandante do 4º Batalhão da Polícia Militar, sediado em Marabá, e foi condenado pela morte de trabalhadores rurais em uma operação. No massacre, 19 trabalhadores sem terra foram assassinados.

Ele cumpria prisão domiciliar e era monitorado por tornozeleira eletrônica.

Além de Mário Pantoja, o major José Maria Pereira Oliveira também foi condenado pelo massacre. Eles ficaram em liberdade por 16 anos e foram presos em 2012.

Pantoja ficou quatro anos preso em regime fechado, mas conseguiu autorização para cumprir prisão domiciliar, alegando motivos de saúde.

Coronel Pantoja, condenado pelo Massacre de Eldorado dos Carajás, morre em Belém

Coronel Pantoja, condenado pelo Massacre de Eldorado dos Carajás, morre em Belém

O Massacre de Eldorado

Mario Pantoja era o comandante da operação da Polícia Militar encarregada de liberar o tráfego no trecho conhecido como "Curva do S" na rodovia PA 150, no sul do Pará. O local estava ocupado por cerca de 1,5 mil trabalhadores rurais ligados ao MST, que reivindicavam terras para a reforma agrária.

O confronto com policiais ocorreu em 17 de abril de 1996 no município de Eldorado dos Carajás. — Foto: reprodução Globo News

O confronto com policiais ocorreu em 17 de abril de 1996 no município de Eldorado dos Carajás e, além de bombas de gás lacrimogêneo, a polícia atirou contra os manifestantes.

Dos 155 policiais que participaram da ação, Mário Pantoja e José Maria de Oliveira, comandantes da operação, foram condenados a penas que superaram os 150 anos de prisão.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Cidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE