Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Protestos contra golpe militar em Mianmar têm confrontos entre manifestantes e forças de segurança

Militares usaram estilingues para tentar dispersar manifestantes. Prisão domiciliar de líder deposta foi estendida.

 
 -   /
/ /

Manifestantes e forças de segurança de Mianmar entraram em confronto nesta segunda-feira (15), em um novo dia de protestos contra o golpe militar sofrido pelo país asiático no começo de fevereiro.

Depois de domngo de protestos, ruas de Mianmar amanhecem com tanques Depois de domngo de protestos, ruas de Mianmar amanhecem com tanques 1 min Depois de domngo de protestos, ruas de Mianmar amanhecem com tanques

Depois de domngo de protestos, ruas de Mianmar amanhecem com tanques

Veículos blindados circulam em nova tentativa de conter os protestos contra o golpe.

window.PLAYER_AB_ENV = "prod"

De acordo com a agência Associated Press, mais de 1 mil pessoas protestavam em frente ao Banco Econômico de Mianmar na cidade de Mandalay, a segunda mais populosa do país. Durante o ato, ao menos 10 caminhões repletos de soldados e policiais chegaram para conter os manifestantes. Houve prisões.

As forças de segurança foram fotografadas usando estilingues e cassetetes para agredir o grupo. Há relatos de disparo de arma de fogo contra os manifestantes, mas registros da AP afirmam que poucas pessoas se feriram.

Homem é detido durante protesto contra golpe militar em Mianmar nesta segunda-feira (15) em Mandalay — Foto: AP Photo

Manifestantes pedem libertação de Aung San Suu Kyi, maior líder política de Mianmar, durante protesto em Mandalay nesta segunda-feira (15) — Foto: AP Photo

Também houve protestos na capital, Naypyidaw. Os manifestantes se encontraram na frente de uma estação policial para exigir a liberação de estudantes de ensino médio detidos durante os protestos contra o golpe militar.

Militares vêm reforçando a presença nas ruas de Mianmar desde esta manhã. O governo suspendeu leis que limitavam as ações das forças de segurança e proibiu novas manifestações, estabelecendo 20 anos de cadeia para quem protestar — o que não foi suficiente para debelar os protestos nas cidades do país.

As manifestações se intensificaram porque os líderes militares de Mianmar estenderam a prisão domiciliar de Aung San Suu Kyi, principal liderança política do país, até ao menos esta quarta-feira (17). Na data, a vencedora do Nobel da Paz em 1991 deverá ser apresentada a um tribunal. Formalmente, os golpistas acusam a ativista de portar telefones por rádio sem autorização.

Golpe em Mianmar

VÍDEO: Militares tomam o poder em Mianmar e lideranças são presas VÍDEO: Militares tomam o poder em Mianmar e lideranças são presas 1 min VÍDEO: Militares tomam o poder em Mianmar e lideranças são presas

VÍDEO: Militares tomam o poder em Mianmar e lideranças são presas

Militares de Mianmar tomaram o poder e detiveram integrantes do governo, inclusive a líder política Aung San Suu Kyi, vencedora do Nobel da Paz em 1991; e o presidente Win Myint.

window.PLAYER_AB_ENV = "prod"

Em 1º de novembro, militares de Mianmar detiveram o presidente birmanês e outras lideranças políticas eleitas para tomar à força o poder. Após o golpe, a junta militar fechou o acesso à internet e a redes sociais e suspendeu voos no país. Assista ao VÍDEO acima.

O golpe ocorreu sem atos de violência e poucas horas antes da primeira sessão do Parlamento formado nas eleições de novembro, vencida pelo partido NDL, do presidente Win Myint e de Aung San Suu Kyi, vencedora do Nobel da Paz há quase 30 anos e que ainda exerce influência política.

  • ENTENDA: O golpe militar em Mianmar

O golpe foi anunciado em uma estação de TV que pertence aos militares. Um apresentador citou a constituição de 2008, que permite aos militares declarar uma emergência nacional. O estado de emergência, disse ele, permanecerá em vigor por um ano.

Rapidamente, os militares assumiram o controle da infraestrutura do país, suspenderam as transmissões de televisão e cancelaram os voos domésticos e internacionais.

O acesso ao telefone e à internet foi suspenso nas principais cidades. O mercado de ações e os bancos comerciais foram fechados. Em Yangon, a maior cidade e antiga capital do país, os residentes correram aos mercados para estocar alimentos e outros suprimentos.

VÍDEOS: mais assistidos do G1 nos últimos 7 dias

200 vídeos VÍDEO: Tenente-coronel da PM é alvo de racismo em videoconferência: 'macaco VÍDEO: Terremoto de magnitude 7,1 atinge a costa de Fukushima, no Japão VÍDEO: Advogado ativa acidentalmente filtro de gato em audiência virtual nos EUA

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Mundo

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE