Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Milhares de manifestantes exigem renúncia do primeiro-ministro armênio

Nagorno Karabakh é criticado pela derrota da Armênia no conflito contra o Azerbaijão, em que milhares morreram. Premiê rejeitou os pedidos de renúncia.

 
 -   /
/ /

Milhares de manifestantes se reuniram na Armênia, neste sábado (20), para exigir a renúncia do primeiro-ministro Nikol Pashinyan, muito criticado desde a derrota na guerra com o Azerbaijão pelo controle de Nagorno Karabakh.

Os combates entre o Azerbaijão e as forças étnicas armênias começaram em 27 de setembro e terminaram em 10 de novembro, quando um acordo de paz mediado pela Rússia introduziu um cessar-fogo. Milhares foram mortos nos confrontos mais sangrentos da região desde o início dos anos 1990.

Policiais ficaram em guarda do lado de fora do escritório do governo durante as manifestações. — Foto: Reuters.

Vigiados por um vários policiais em uma praça central em Erevan, a capital, os manifestantes gritavam palavras de ordem como "Armênia sem Nikol" e "Nikol é um traidor".

"Nosso sonho é ter uma pátria forte e poderosa e o único obstáculo que impede esse objetivo é Nikol Pashinyan", disse à multidão Ishjan Saghatelyan, líder do Partido Dashnaktsutiun, de oposição.

"Não vamos parar. Vamos nos livrar de Pashinyan", completou. Novas manifestações estão marcadas para segunda-feira, segundo Saghatelyan.

Manifestantes seguram boneco sendo enforcado durante protestos pela renúncia do primeiro-ministro. — Foto: Karen MINASYAN / AFP

A oposição critica Pashinyan pela derrota da Armênia no conflito de Nagorno Karabakh contra o Azerbaijão e vem organizando protestos para sua renúncia após classificá-lo como "traidor".

Enfrentando a pressão para renunciar depois que os armênios perderam partes do território, Pashinyan anunciou um mapa que ele disse ter sido projetado para apoiar a estabilidade e a segurança nacional.

Pashinyan rejeitou pedidos de renúncia, mas disse que era totalmente responsável pelo resultado do conflito e continua responsável por garantir a segurança da Armênia.

O primeiro-ministro chegou ao poder em 2018.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Mundo

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE