Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Superlotação, crianças em cercados de plástico e tapetes de brinquedo: a situação dos abrigos para menores imigrantes nos EUA

Mais novos ficam presos em cercadinho de plástico. Instalação na fronteira com o México com capacidade para 450 imigrantes recebe 4 mil.

 
 -   /
/ /

Crianças foram encontradas dormindo em colchonetes no chão, em cima de tapetes de brinquedo, em um centro de detenção para imigrantes em Donna, no Texas (Estados Unidos). O flagrante foi feito por jornalistas que visitaram o local nesta terça-feira (30), na primeira visita autorizada à imprensa.

Menores dormem em abrigo superlotado para imigrantes em Donna, Texas (EUA), nesta terça-feira (30) — Foto: Dario Lopez-Mills/Pool via Reuters

De acordo com reportagem da agência Associated Press, a estrutura montada em uma tenda abrigava mais de 4 mil pessoas — a capacidade máxima prevista, entretanto, era de apenas 250 imigrantes. Desse número, a maioria era de menores de idades, que passavam por uma triagem após serem pegos na fronteira até serem recolocadas com seus familiares.

Crianças são mantidas em cercadinho em abrigo para imigrantes na fronteira dos EUA com o México em Donna, Texas; foto desta terça-feira (30) — Foto: Dario Lopez-Mills/Pool via Reuters

As crianças foram vistas divididas em grupos isolados por faixas de plástico. A agência AP verificou que, em um desses cercados, havia mais de 500 jovens. Os mais novos, incluindo bebês, ficavam em espaços que deveriam servir como playground. Segundo a CNN americana, havia fraldas e mamadeiras espalhadas por todo lado.

Segundo Oscar Escamilla, responsável pela Patrulha da Fronteira na região do Vale do Rio de Grande, entre 250 e 300 crianças entram todos os dias na instalação. Ele advertiu, porém, que um número bem menor do que esse deixa o local por dia.

Criança aguarda sua vez de tomar um banho em centro superlotado para imigrantes em Donna, Texas (EUA), nesta terça-feira (30) — Foto: Dario Lopez-Mills/Pool via Reuters

Os repórteres que visitaram o local também acompanharam o processo de recepção dos menores:

  1. Checagem de piolho e outras doenças de pele
  2. Rápido exame médico — só quem apresenta sintomas faz teste para Covid-19
  3. Exame psicológico
  4. Remoção de todos os cadarços "para evitar que se machuquem"
  5. Coleta de digitais e foto, para os maiores de 14 anos
  6. Notificação para que compareçam em um tribunal de imigração. Guardas perguntam se eles conhecem alguém nos EUA e permitem que a criança faça o telefonema.

Problema para Biden

Presidente dos EUA, Joe Biden, dá declaração no Salão Oval da Casa Branca nesta terça-feira (30) — Foto: Jonathan Ernst/Reuters

Eleito com discurso menos duro sobre imigração, o presidente Joe Biden tem sido constantemente criticado por ainda manter crianças em centros superlotados — algo que motivou inúmeras críticas ao governo de Donald Trump, que defendia política de tolerância zero aos imigrantes clandestinos.

Imagens dos locais de detenção para crianças já haviam saído ao público na semana passada, o que aumentou a pressão sobre a Casa Branca. Relembre no VÍDEO abaixo.

Fotos mostram situação precária de crianças em centro de imigração dos EUA

Fotos mostram situação precária de crianças em centro de imigração dos EUA

window.PLAYER_AB_ENV = "prod"

Por causa da pandemia, Biden tem insistido que as pessoas não tentem entrar nos EUA. Além disso, a Casa Branca continuou com a política de expulsar adultos que entram ilegalmente no país. O problema é que a legislação mexicana não autoriza que essas pessoas simplesmente sejam reenviadas do outro lado da fronteira.

A situação ainda continuará a preocupar a Casa Branca, porque há caravanas saindo de países da América Central rumo aos EUA repletas de pessoas que tentam fugir da pobreza e da violência na região.

Para amenizar a crise, Biden prometeu "transparência total" durante entrevista coletiva no início da semana. Além disso, a vice-presidente Kamala Harris foi designada para ficar à frente na diplomacia com o México e países da América Central, para encontrar uma forma de diminuir o gargalo migratório na fronteira.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Mundo

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE