Mundo

Mundo

Fechar
PUBLICIDADE

Mundo

Príncipe da Jordânia promete lealdade ao rei Abdullah II após mediação da família real

O príncipe Hamza bin Hussein estava em prisão domiciliar. Seus aliados políticos foram presos. A Jordânia é um país aliado dos Estados Unidos no Oriente Médio.

 
 -   /
/ /

O ex-príncipe regente da Jordânia, Hamza bin Hussein, prometeu ser leal ao rei Abdullah II nesta terça-feira (6), horário local, após mediação da família real.

Hamza ficou em prisão domiciliar por dois dias depois de ter sido acusado de tentar desestabilizar o país com a ajuda de aliados e estrangeiros.

O príncipe assinou uma carta na qual se coloca à disposição do monarca. A Corte jordana informou que Hamza se reuniu com outros príncipes durante esta segunda.

"Permanecerei leal à herança de meus ancestrais, a Sua Majestade o Rei, bem como a seu príncipe herdeiro, e estarei disponível para ajudá-los e apoiá-los", escreveu Hamza.

Segundo o documento, o ex-príncipe regente da Jordânia se compromete a respeitar a Constituição do país e apoiar Abdullah II.

No sábado (4), os militares disseram que emitiram um aviso ao príncipe por suas ações que tinham como alvo a segurança e estabilidade do país.

Príncipe desafiou prisão

Príncipe da Jordânia acusado de golpe desafia ordem de prisão

Príncipe da Jordânia acusado de golpe desafia ordem de prisão

window.PLAYER_AB_ENV = "prod"

Em uma conversa por telefone, cuja gravação foi transmitida domingo à noite no Twitter, Hamza disse a um interlocutor não identificado que não acataria as ordens do chefe de Estado-Maior sobre a proibição de sair, tuitar e se comunicar com pessoas além da família.

A pedido do rei, o chefe do Estado-Maior visitou no sábado a residência do príncipe Hamza para pedir que "interrompesse as atividades que poderiam ser usadas para minar a estabilidade e a segurança da Jordânia".

"Gravei toda a conversa e a publiquei", disse o príncipe. "Agora estou esperando para ver o que vai acontecer e o que vão fazer. Não quero fazer algum movimento, porque não quero que a situação piore."

Interferência estrangeira

O vice-primeiro ministro da Jordânia, Ayman Safadi, disse que o príncipe Hamza, meio-irmão do atual rei, era investigado há algum tempo.

"As investigações monitoraram interferências e comunicações com estrangeiros sobre qual seria o momento certo de desestabilizar a Jordânia", afirmou Safadi.

Entre os estrangeiros aos quais ele faz referência, está uma agência de inteligência contratada pela mulher do príncipe Hamza para planejar a saída deles da Jordânia.

A mãe de Hamza, a rainha Noor, defendeu seu filho. Ela afirmou que reza para que a verdade e a justiça prevaleçam e classificou as acusações de calúnias perversas.

Apoio internacional

Os países vizinhos e aliados do Irã se solidarizaram com o rei Abdullah, um aliado importante dos Estados Unidos.

A Jordânia é um dos países mais estáveis do Oriente Médio.

Alguns políticos de oposição defenderam o príncipe Hamza, o que desagradou o rei, de acordo com fontes próximas da família.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Mundo

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE