Cidades

Cidades

Fechar
PUBLICIDADE

Cidades

Advogado é indiciado por chefiar esquema de falsos correspondentes bancários e lotéricas no Ceará, Pará e Paraíba

As Polícias Civis do Ceará e do Pará cumpriram mandados de busca e apreensão contra o suspeito na sexta-feira 1º .

 
 -   /
/ /

Um advogado de 33 anos foi indiciado por chefiar uma organização criminosa, envolvendo um esquema de falsas lotéricas e correspondentes bancários em três estados do Brasil. As Polícias Civis do Ceará e do Pará cumpriram mandados de busca e apreensão, na cidade de Beberibe, contra o suspeito na última sexta-feira (1º).

LEIA TAMBÉM:

  • Suspeitos de montarem falsas casas lotéricas no Pará são presos no Ceará
  • Falso correspondente bancário no Ceará estava registrado em nome de adolescente; cinco suspeitos foram capturados

O esquema criminoso também atuava na Paraíba. O inquérito que investigava a conduta criminosa do homem foi concluído nesta terça e remetido ao Poder Judiciário.

O cumprimento da determinação judicial foi acompanhado de dois advogados da Comissão de Defesa das Prerrogativas da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-CE).

Uma das agências falsas abertas pelo grupo criminoso, segundo a polícia — Foto: Polícia Civil/Reprodução

De acordo com a Delegacia Municipal de Beberibe, foram cumpridos mandados de busca e apreensão em um imóvel no Morro Branco, praia do município, e em um escritório no Centro. Na ocasião, foram apreendidos documentos que serão utilizados na investigação policial.

Conforme a Delegada Ana Scotti, titular da Delegacia de Beberibe, o advogado foi indiciado por organização criminosa, estelionato e apropriação indébita. A aproximação com o grupo começou no fim do ano passado.

“Ele é investigado como um dos chefes do grupo criminoso. Temos elementos que nos indicam isso. Além da assessoria jurídica para os demais integrantes do grupo, ele analisava os contratos de abertura das agências e correspondentes bancários e falsificava documentos”, disse a delegada.

“O advogado é suspeito de utilizar documentos de outras empresas, já abertas, para abrir falsos correspondentes bancários. Um dos requisitos para a participação dele, era que os demais, caso fossem capturados, não o denunciassem. Se ele fosse denunciado, os outros ficariam sem advogado. Isso é surreal”, explicou Ana Scotti.

Operação Foco

Grupo é preso em Beberibe por abrirem falsos correspondentes no Ceará e no e lotéricas no Pará. — Foto: Divulgação/SSPDS

Deflagrada em 2 de setembro de 2021, a primeira edição da Operação Foco nas cidades cearenses de Fortaleza, Beberibe e Horizonte, resultou no início da desarticulação do grupo suspeito de um prejuízo de mais de R$ 1 milhão contra as vítimas dos três estados.

Conforme a investigação, os suspeitos se apropriaram dos dinheiros das vítimas, que iam aos estabelecimentos para efetuar os pagamentos de boletos. Porém, os valores não eram compensados, e só após alguns dias, elas percebiam que tinham caído em um golpe.

Em menos de 72 horas após a primeira edição, mais três homens suspeitos de participação no golpe foram capturados em um condomínio de luxo na Lagoa do Uruaú, em Beberibe. Com o trio, natural de Minas Gerais, as forças de segurança apreenderam cartões magnéticos e equipamentos eletrônicos.

Já no dia 11 de setembro de 2021, outros três suspeitos foram capturados. Um deles foi encontrado em uma pousada em Canoa Quebrada, no município de Aracati, Área Integrada de Segurança 18 (AIS 18) do Estado, e os outros dois, em um hotel no bairro Aldeota (AIS 15), em Fortaleza. Com eles foram apreendidos documentos falsos, impressoras de lotéricas, aparelhos eletrônicos e uma quantia em dinheiro.

A quarta ofensiva realizada tratou-se do cumprimento do mandado de busca e apreensão em desfavor do advogado e em seu indiciamento.

 

 

PUBLICIDADE

Curiosidades

Mais Lidas em Cidades

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE